Postagens

Mostrando postagens de 2010
Imagem
Confissões De: Daniele Garcia e Glauber Lyra Tom: A Introdução:| A | A/G | A/ F# | A/F | 4x A A/G A/F# A/F O Teu Amor é uma jóia tão rara A A/G E/G# E/G Mais do que a sombra em volta do sol F#4/7 F#7 Bm7 Bm7/A Criança em pé no chão E/G# E/G F#4/7 F#7 Vou contemplando a beleza posta Bm7 Bm7/A E/G# A E/A Fim de semana embotado de Luz das estrelas D7+ Dm7 C#m7 F#7 Mágico tempo Frágil momento Bm E Ab A Con- fis-sõ...es A A/G A/F# A/F Vou caminhando e os postes não param A A/G E/G# E/G Andam contrários aos fios de luz F#4/7 F#7 Bm7 Bm7/A Que emanam da visão E/G# E/G F#4/7 F#7 A tua mão caleja.........da Bm7 Bm7/A E/G# A E/A Encontra na praça deserta Recompensa D7+

O Jardim - Migrassom

O Jardim De: Daniele Garcia e Glauber Lyra Tom: D A paisagem. Locomotiva. Cheguei aqui. Uma viagem, adormecida Olho o passado, enquanto vago Pelos sonhos, pelos cantos, espaços Desse jardim. Cada lembrança, girava em dança, dentro de mim Olhos fechados, eu vejo tudo Em tons de verde, arbusto, vento, Toco as flores, sinto outras mãos Eu e você. Meus pensamentos, abandonados no ar deixei Trouxe comigo, alguns amigos, Em folhas verdes vão se abrindo Revelando a quem quiser procurar, Raras flores e espinhos. Danças circulares De um tempo que eu nunca esqueci Ouço seus tambores Mãos dadas celebram aqui Se há saudade, apague o tempo Feche os olhos, deixe a alma voar Mais uma vez

Rosa - Migrassom

Imagem
http://www.myspace.com/migrassom De: Daniele Garcia e Glauber Lyra Tom: D Introdução: (D E/D | D E/D | D E/D | G/D ) 4x A A7 Duas espadas cruzadas descansam frente à porta D A7 Tantos caminhos me trouxeram aqui D Em Por tantos veios e matas G D Tendo a lua a cobrir E o sol de lampião A A7 Mago luzindo fogo ri na cabala do olhar D A7 Sob o rangido da porta D Em Eu vejo cor, luz e forma G D O passado a se abrir Tão arriscado voltar G C9 A7 É o instante É o presente Reacende

Minhas Poesias - Daniele Garcia

Minhas Poesias Daniele Garcia (Migrassom) Somos como o sangue, Que é quente enquanto corre, E nunca no mesmo lugar Que são tantas as veias O Poema e as Coisas O poema é uma coisa De onde se tiram coisas E das coisas De onde se tira o poema Surgem novas coisas Novos poemas E mais tempo Para limpar as coisas e os poemas E mais poemas Para limpar as coisas e o tempo. É... Cada boca é um jato Que se apoia na ponta de um lápis E ganha força E distância no tempo. Cada folha uma cadeira. Cada cabeça uma dispensa. E também no fundo Todas são a mesma coisa. DMG - 19/10/2008 - 01h 58min (H.Verão) CIRCUNS-TEMPO DG, 2006 A CLAUSURA DA ALMA MORA NO IMPOSTO COMPOSTO DE DOR E PERDA PERDE QUEM IMPÕE POSTO PERDE QUEM IMPÕE PENA SE JÁ PERDE QUEM VOS DEIXA PERDE MAIS VIDA DESLEIXA AO QUE SE PROPÕE NÃO FARÁ DEIXA AO LÉU A AURA ESPREITA LARGA, TOMBA, DEIXA ASAS CORTA FORA E AQUI SE DEIXA VAI LEVANTE, CORTA POEIRA CO

Cd Migrassom à Venda !!!

Imagem
O Cd Migrassom está disponível na Clique aqui para adquirí-lo